Oria Capital

Navita se destaca em IoT, conforme estudo do Gartner

A Navita, empresa investida da Oria, é líder em gestão de mobilidade corporativa (MDM – mobile device management) e gerenciamento de despesas de Telecom (TEM – telecom expense management). Ela foi mais uma vez citada em estudo realizado pelo renomado instituto de pesquisa e consultoria Gartner sobre os efeitos e oportunidades de Internet das Coisas (IoT) no contexto do serviço de telecom expense management.

A Gartner, Inc. é a maior e mais renomada empresa de pesquisa e consultoria de tecnologia do mundo. Seu conjunto abrangente de serviços fornece conselhos estratégicos e as melhores práticas para auxiliar seus clientes a obter sucesso. Em estudo, a Gartner apontou a Navita como uma das principais provedoras de IoT para o gerenciamento de telecom e dispositivos móveis. Esse desempenho é notável na redução de custos e aumento de eficiência apresentado por seus clientes.

A Navita é uma das investidas do Fundo Oria Tech 1 dentro da tese de mobilidade. “A Navita atua na cadeia de gerenciamento de infraestrutura de Telecom e dispositivos móveis, como celulares, tablets e qualquer ‘coisa’ conectada, em linha com a Internet das Coisas”, ressalta Paulo Caputo, sócio-fundador da Oria e conselheiro do Fundo na empresa.

O mais recente destaque pela Gartner soma-se a diversos outros reconhecimentos que a empresa vem recebendo ao longo dos anos. Com o aporte da Oria, a Navita investiu no desenvolvimento da plataforma Connect, que permitiu a empresa escalar suas soluções e atingir novos mercados, inclusive fora do Brasil, a partir de um contrato com a Telefonica Global Services, que está levando o software para mais de 50 países.

A Oria parabeniza a empresa e seus fundadores, Roberto Dariva, CEO e, Fábio Nunes, CTO, pelos excelentes resultados.

Sobre a Navita

A Navita é uma empresa brasileira líder em gestão de mobilidade corporativa (MDM – mobile device management) e gerenciamento de despesas de Telecom (TEM – telecom expense management). Fundada em 2003, a Navita atende mais de 300 clientes corporativos no Brasil e no exterior e gerencia mais de 1 milhão de dispositivos móveis.

http://navita.com.br/

Sobre a Oria

A Oria é uma gestora especializada em investir em empresas de médio porte no setor de tecnologia da informação. Ela foi fundada em 2009 por empreendedores e executivos do segmento. Desde então já investiu mais de 200 milhões de reais em 10 empresas que, desde 2012, crescem 25% a.a. em vendas.

Os seus sócios e profissionais já participaram de mais de 40 transações no setor de tecnologia que movimentaram mais de R$ 2 bilhões de reais.

 

Compartilhe:

POSTS RELACIONADOS

Navita se destaca em IoT, conforme estudo do Gartner

Fundo da Oria tem retorno de 1,8 vez sobre o capital investido

A gestora Oria registrou um retorno de 1,8 vez sobre o capital investido em seu primeiro fundo de tecnologia, que atualmente conta com oito empresas e cerca de R$ 150 milhões aportados. O fundo, captado em 2012, nasceu quando a Oria ainda atuava junto à DLM Invista sob a marca DLM Private Equity . Na época, a gestora captou R$ 175 milhões com investidores, entre eles fundos de pensão, que são responsáveis por 60% do capital do fundo. Cinco anos depois, a gestora contratou a consultoria Apsis para fazer uma avaliação das cotas do fundo, seguindo a exigência da nova instrução da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nº 579, que determina que todos os fundos de investimento em participações (FIPs) façam, anualmente, um laudo por meio de uma empresa terceirizada para averiguar a precificação e valuation das empresas do portfólio. “Fizemos um processo seletivo e selecionamos a Apsis, que já atua com vários fundos internacionais”, explica o diretor da Oria, Leandro Andrade. “Eles fizeram esse laudo dos oito ativos do nosso portfólio e vimos que a cota que a Taxa Interna de Retorno (TIR) bruta dos ativos foi de 26% ao ano no período de três anos. O retorno sobre o capital investido é de 1,8 vez . Esse é um valor não realizado, mas já mostra a evolução das empresas”, salienta. Andrade destaca que o portfólio da gestora possui empresas de tecnologia de segmentos diversificados, entre eles logística, farmácia, financeiro, saúde, entre outros. “São setores que se compensam”, diz. Segundo ele, o resultado final da valorização e precificação das empresas dependerá do desinvestimento. “A expectativa é que vamos atingir essas metas que a Apsis apontou no laudo. Mas dependerá da saída do investimento, da liquidez e de compradores, além da própria situação macro do país”, explica. A gestora já está captando para seu segundo fundo, lançado em outubro do ano passado, que manterá a mesma estratégia do primeiro. A expectativa é levantar R$ 250 milhões. Para fazer a avaliação desse fundo, a Oria contratará outra empresa. “Como é uma avaliação anual, vamos retomar o processo seletivo e ver alternativas pro segundo fundo”, complementa. Fonte: Investidor Institucional

Navita se destaca em IoT, conforme estudo do Gartner

História de sucesso Zenvia

Confira a história de sucesso da Zenvia, uma de nossas empresas investidas que conquistou a liderança na América Latina com o aporte realizado e se prepara para o desinvestimento por meio de abertura de capital.

0 Comentários